Gestão do conhecimento para o planejamento estratégico na pandemia: um estudo de caso em um observatorio de cooperativas

Contenido principal del artículo

Ieda Pelógia Martins Damian
Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos
Nidelson Teixeira Falcão
Davi Rogério de Moura Costa

Resumen

O conhecimento tem ocupado posições de destaque nas organizações por possibilitar a construção de vantagens competitivas sustentáveis. Diante da importância deste recurso, sua gestão passa a ser fundamental, uma vez que contribui para que os objetivos organizacionais sejam alcançados. Estes objetivos são definidos durante a execução das atividades do planejamento estratégico, que se propõe a direcionar as organizações para que resultados pretendidos sejam alcançados. Estas atividades se fazem ainda mais importantes em momentos de crise, como os vivivos pela pandemia do COVID-19. Foi neste cenário pandêmico que o Observatório de Cooperativas da Universidade de São Paulo, por meio da utilização de tecnologias de informação e comunicação, desenvolveu seu planejamento estratégico. Perante ao exposto, este estudo tem por objetivo destacar as contribuições da gestão do conhecimento para o planejamento estratégico, uma vez que tais ferramentas se tornam ainda mais essenciais em momentos de crise como os vividos em uma pandemia. Como procedimentos metodológicos, se fez uso do estudo de caso que permite, além de relacionar teoria e pratica, demonstrar o contexto do observatório onde as atividades foram desenvolvidas. Como resultados, se destaca que as contribuições advindas da gestão do conhecimento, como o desenvolvimento de um ambiente colaborativo, do trabalho em equipe, da motivação, da autonomia, entre outros, foram essenciais para o desenvolvimento do planejamento estratégico do Observatório em meio a pandemia do COVID-19.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Damian, I. P. M. ., Santos, B. R. P. dos ., Falcão, N. T., & Moura Costa, D. R. de . (2021). Gestão do conhecimento para o planejamento estratégico na pandemia: um estudo de caso em um observatorio de cooperativas. Palabra Clave (La Plata), 11(1), e144. https://doi.org/10.24215/18539912e144
Sección
Avances de investigación

Citas

Alday, H. E. C. (2000). O planejamento estratégico dentro do conceito de administração estratégica. Revista da FAE, 3(2), 9-16. Recuperado de https://revistafae.fae.edu/revistafae/article/view/505

Almeida, J. S. C., & Oliveira, S. S. (2020). Planejamento Estratégico em Empresas de Pequeno Porte. Revista Gestão & Sustentabilidade, 2(1), 38-56. Recuperado de https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/RGES/article/view/9780

Almeida, M. I. R. de. (2010). Manual de planejamento estratégico: desenvolvimento de um plano estratégico com a utilização de planilhas excel. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Andion, M. C. & Fava, R. (2002). Gestão empresarial. Curitiba: Associação Franciscana de Ensino Bom Jesus.

Ansoff, I. (1977). Estratégia empresarial. São Paulo: McGraw-Hill.

Araújo, F. De., & Gonçalves, C. A. (2011). O processo de formulação e implementação de planejamento estratégico em instituições do setor público. Revista de administração da Universidade Federal de Santa Maria, 4(3), 458-476. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/2734/273421614010.pdf

Barney, J. B. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120. Recuperado de https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/014920639101700108

Batista, F. F. (2012). Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Brasília: Ipea.

Bukowitz, W.R., & Williams, R.L. (2002). Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman.

Chiavenato, I. (2014). Introdução a teoria geral da administração. São Paulo: Manole.

Cruz, D. M. de B.; Neris, L. M.; Vilas-Boas, L. G. & Menezes, J. D.de. S. (2017). Aplicação do planejamento estratégico a partir da análise SWOT: Um estudo numa empresa de tecnologia da informação. In: Anais do 9 SIMPROD. Universidade Federal de Sergipe, Aracajú. Recuperado de https://mail.fsssacramento.br/arquivos/epo/iniciacao-cientifica/artigo-1.pdf

Dalkir, K. (2005). Knowledge management in theory and practice. Linacre House, Jordan Hill, Oxford: Elsevier.

Damian, I. P. M. & Moro-Cabero, M. M. M. (2020a). Proposição de um modelo de gestão do conhecimento voltado às características da memória organizacional. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 25, 01-21. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2020.e73691/44028

Damian, I. P. M. & Moro-Cabero, M. M. (2020b). Inter-relações entre gestão do conhecimento e memória organizacional. Palabra clave, 10(1), e106. Recuperado de https://www.palabraclave.fahce.unlp.edu.ar/article/view/PCe106/12701

Damian, I. P. M. & Moro-Cabero, M. M. (2020c). Diretrizes estratégicas baseadas nos fatores Críticos de sucesso da gestão do conhecimento voltadas às características da memória organizacional. Informação & sociedade: estudos, 30(2), 1-25. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/52478

Davenport, T. H. & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus.

Del-Massa, H. C. O.; Damian, I. P. M. & Valentim, M. L. P. (2018). Competência em informação no apoio à gestão do conhecimento. Informação & sociedade. estudos, 28(1). Recuperado de https://knowledgesociety.usal.es/system/files/CoInfo%20no%20apoio%20a%20GC.pdf

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. The Academy of Management Review, 14(4), 532-550. Recuperado de https://www.jstor.org/stable/258557?seq=1#metadata_info_tab_content

Estrada, R. J. S. & De Almeida, M. I. R. (2007). A eficiência e a eficácia da gestão estratégica: Do planejamento estratégico à mudança organizacional. Ciências da administração, 9(19), 147-178. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm/article/view/1784

Fernandes, I. G. M. et al. (2015). Planejamento estratégico: análise SWOT. Revista conexão eletrônica das Faculdades Integradas de Três Lagoas, 8(1). Recuperado de https://bit.ly/3rmtxEY

Fischmann, A. A. & Almeida, M. I. R. (2009). Planejamento estratégico na prática. São Paulo: Editora Atlas.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC.

Fresneda, P. S. V.; Gonçalves, S. M. G.; Papa, M. & Fonseca, A. F. (2009). Diagnóstico da gestão do conhecimento nas organizações públicas utilizando o método organizational knowledge assessment (OKA). En II Congresso Consad de Gestão Pública, Brasilia, Brasil. Recuperado de http://consad.org.br/wp-content/uploads/2013/02/DIAGN%C3%93STICO-DA-GEST%C3%83O-DO-CONHECIMENTO-NAS-ORGANIZA%C3%87%C3%95ES-P%C3%9ABLICAS-UTILIZANDO-O-M%C3%89TODO-ORGANIZATIONAL-KNOWLEDGE-ASSESSMENT-OKA2.pdf

Hoffman, W. A. M. (2009). Gestão do conhecimento: desafios de aprender. São Carlos: Compacta.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2013). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação dos dados. São Paulo: Atlas.

Michelon, M. J.; Pilatti, L. A.; Lima, I. A. de & Carvalho, H. G. de. (2006). A criação do conhecimento corporativo promovido pelos fluxos de informações gerados na implantação do planejamento estratégico. Revista produção online, 6(1).

Nonaka, I. & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier.

Santos, B. R. P. & Damian, I. P. M. (2018). O mapeamento do conhecimento por meio da análise SWOT: estudo em uma organização pública de saúde. Em questão, 24, 253-274. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/76910/0

Silva, S. L. (2004). Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Ciência da informação, 33(2), 143-151. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/ci/v33n2/a15v33n2.pdf

Silva, H. M. da. (2007). Gestão do conhecimento e inteligência competitiva em organizações: uma abordagem conceitual. Revista de iniciação vientífica da FFC, 7(1), 84-93.

Takeuchi, H. & Nonaka, I. (2008). Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Teixeira, C. A. & Alonso, V. L. C. (2014). A Importância do Planejamento Estratégico para as Pequenas Empresas. En Anais do 11 Simpósio de excelência em gestão e tecnologia (SEGeT). Rio de Janeiro, Brasil. Recuperado de https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos14/132020.pdf

Teixeira filho, J. (2000). Gerenciando conhecimento: como a empresa pode usar a memória organizacional e a inteligência competitiva no desenvolvimento de negócios. Rio de Janeiro: SENAC.

Terra, J. C. C. (2005). Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio Editora.

Valente, D. L. & De Macedo Brasil, C. V. (2019). Análise de ferramentas administrativas para o planejamento estratégico. FESPPR pública, 3(1), 1-13. Recuperado de http://publica.fesppr.br/index.php/publica/article/view/162

Wong, K. Y. & Aspinwaal, E. (2004). Knowledge management implementation frameworks: a review. Knowledge and process management, 11(2), 93–104. https://doi.org/10.1002/kpm.193

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Artículos más leídos del mismo autor/a