Gestão da informação e do conhecimento e teoria da complexidade no contexto empresarial: um estudo no setor de comunicação e tecnologia um estudo no setor de comunicação e tecnologia

Contenido principal del artículo

Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos
Erick Pacheli Pereira
Ieda Pelógia Martins Damian

Resumen

Uma sociedade imersa em grandes quantidades de informação deve ser pautada pela integração dos mais variados contextos organizacionais e informacionais, a fim de produzir conhecimento com caracterí­sticas inter, multi, pluri e transdisciplinares. Assim, apresenta-se o seguinte problema de pesquisa: a empresa contemplada pela pesquisa, pertencente ao ramo de comunicação e tecnologia, possui uma cultura organizacional voltada í  promoção e desenvolvimento da gestão da informação e do conhecimento baseada no pensamento complexo? O objetivo da pesquisa é verificar se esta empresa apresenta fatores que indicam uma cultura organizacional voltada í  promoção e desenvolvimento da gestão da informação e do conhecimento em suas práticas de trabalho, com base na teoria da complexidade. Para isso, foi realizada uma pesquisa descritivo-exploratória de natureza qualitativa, utilizando como instrumento de pesquisa o roteiro de entrevista, e como método de análise, a “Análise de Conteúdo”. Os resultados demonstram que o ambiente organizacional desenvolve de maneira mais acentuada as práticas de gestão da informação do que de gestão do conhecimento, baseando-se em alguns princí­pios do pensamento complexo desenvolvidos em paralelo com a gestão da informação, e se pode apontar que dos sete princí­pios do pensamento complexo, os desenvolvidos na empresa pesquisada são: princí­pio hologramático, princí­pio da auto-eco-organização, princí­pio do cí­rculo retroativo e princí­pio do cí­rculo recursivo.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Santos, B. R. P. dos, Pereira, E. P., & Damian, I. P. M. (2018). Gestão da informação e do conhecimento e teoria da complexidade no contexto empresarial: um estudo no setor de comunicação e tecnologia: um estudo no setor de comunicação e tecnologia. Palabra Clave (La Plata), 8(1), e060. https://doi.org/10.24215/18539912e060
Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), Marília, Brasil

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), Marília, Brasil, vinculada à linha de pesquisa: Gestão, Mediação e Uso da Informação

Erick Pacheli Pereira, Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC)

Mestrando em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), Marília, Brasil, vinculado à linha de pesquisa: Gestão, Mediação e Uso da Informação.

Ieda Pelógia Martins Damian, Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC) e Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (USP/FFCLRP)

Doutora em Administração. Docente no curso de Biblioteconomia e Ciências da Informação pela Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (USP/FFCLRP), Ribeirão Preto, Brasil e Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), Marília, Brasil.

Citas

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo (4a ed.). Lisboa: Edições 70.

Cascão, F. (2014). Gestão de competências, de conhecimento e de talento: estudos e contributos para a gestão das pessoas no séc. XXI. Edições Sí­labo.

Choo, C. W. (2003a). A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac.

Choo, C. W. (2003b). Gestão de informação para a organização inteligente: a arte de explorar o meio ambiente. Lisboa: Caminho.

Davenport, T. H. (1994). Reengenharia de processos. São Paulo: Campus.

Davenport, T. H. (2002). Ecologia da Informação. São Paulo: Futura.

Davenport, T. H., e Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Geertz, C. (2013). O Saber Local: novos ensaios em antropologia interpretativa (12a ed.). Petrópolis: Vozes.

Heisig, P., Suraj, A. O., Kianto, A., Kemboi, C., Arrau, G. P., e Easa, N. F. (2016). Knowledge management and business performance: global experts’ views on future research needs. Journal of Knowledge Management, 20(6), 1669-1198. https://doi.org/10.1108/JKM-12-2015-0521

Madsen, D. (2013). Disciplinary perspectives on information management. Em The 2nd International Conference on Integrated Information. Procedia: social and behavioral sciences, 73.

Malin, A. M. B. (2012). O campo profissional da Gestão da Informação. Informação & Informação, 17(2), 172-187. http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2012v17n2p172

Marconi, M. A., e Lakatos, E. M. (2013). Fundamentos de metodologia cientí­fica. São Paulo: Atlas.

Martins, S. C. (2014). Gestão da Informação: estudo comparativo de modelos sob a ótica integrativa dos recursos de informação. (Dissertação de mestrado em Ciência da Informação), Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marí­lia, São Paulo, Brasil.

Mead, M., Benedict, R., Sapir, E., e Borges, M. A. X. de. A. (2015). Cultura e Personalidade. Rio de Janeiro: Zahar.

McGee, J., e Prusak, L. (1994). Gerenciamento estratégico da informação. Rio de Janeiro: Campus.

Morin, E. (2000). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2005). Os sete saberes necessários í educação do futuro. São Paulo: Cortez.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina. [Tradução de Eliane Lisboa].

Morin, E. (2013). Ciência e consciência da complexidade. Em E. Morin e J. Le Moigne (Org.), A inteligência da complexidade. São Paulo: Peirópolis.

Nonaka, I., e Takeuchi, H. (2008). Teoria da criação do conhecimento organizacional. Em H. Takeuchi e I. Nonaka (Org.), Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Ponjuán Dante, G. (2007). Gestión de información: dimensiones e implementación para el êxito organizacional. Gijón: Trea.

Ronchi, C. C. (2012). Cultura e as organizações: antropologia e cultura brasileira. Curitiba: Juruá.

Schein, E. H. (2009). Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Atlas.

Silva, T. E., e Tomaél, M. I. (2007). A gestão da informação nas organizações. Informação & Informação, 12(2), 1-2. http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2007v12n2p148

Souza, E. D. de., Dias, E. J. W., e Nassif, M. E. (2011). Gestão da informação e do conhecimento na Ciência da Informação: perspectivas teóricas e práticas organizacionais. Informação e Sociedade: Estudos, 21(1), 55-70. Recuperado de http://www.brapci.inf.br/index.php/article/download/16973

Valle, R., e Costa, M. M (2013). Gerenciar os processos, para agregar valor a organização. Em R. Valle e S. B. de Oliveira (Org.). Análise e modelagem de processos de negócio: foco na notação BPMN (Business Process Modeling Notation). São Paulo: Atlas.

Valentim, M. L. P. (2004). Gestão da informação e gestão do conhecimento: especificidades e convergências. Recuperado de http://www.ofaj.com.com/colunas_conteudo.php?cod=88.

Valentim, M. L. P. (2007). Informação, conhecimento e inteligência organizacional (2a ed.). Marí­lia: Fundepe.

Valentim, M. L. P. (2010). Gestão, Mediação e Uso da Informação. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Artículos más leídos del mismo autor/a