Gestão da informação e do conhecimento e teoria da complexidade no contexto empresarial: um estudo no setor de comunicação e tecnologia

um estudo no setor de comunicação e tecnologia

  • Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), Marília, Brasil, (Brasil)
  • Erick Pacheli Pereira Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), (Brasil)
  • Ieda Pelógia Martins Damian Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC) e Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (USP/FFCLRP), (Brasil)

Resumen

Uma sociedade imersa em grandes quantidades de informação deve ser pautada pela integração dos mais variados contextos organizacionais e informacionais, a fim de produzir conhecimento com características inter, multi, pluri e transdisciplinares. Assim, apresenta-se o seguinte problema de pesquisa: a empresa contemplada pela pesquisa, pertencente ao ramo de comunicação e tecnologia, possui uma cultura organizacional voltada à promoção e desenvolvimento da gestão da informação e do conhecimento baseada no pensamento complexo? O objetivo da pesquisa é verificar se esta empresa apresenta fatores que indicam uma cultura organizacional voltada à promoção e desenvolvimento da gestão da informação e do conhecimento em suas práticas de trabalho, com base na teoria da complexidade. Para isso, foi realizada uma pesquisa descritivo-exploratória de natureza qualitativa, utilizando como instrumento de pesquisa o roteiro de entrevista, e como método de análise, a “Análise de Conteúdo”. Os resultados demonstram que o ambiente organizacional desenvolve de maneira mais acentuada as práticas de gestão da informação do que de gestão do conhecimento, baseando-se em alguns princípios do pensamento complexo desenvolvidos em paralelo com a gestão da informação, e se pode apontar que dos sete princípios do pensamento complexo, os desenvolvidos na empresa pesquisada são: princípio hologramático, princípio da auto-eco-organização, princípio do círculo retroativo e princípio do círculo recursivo.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), Marília, Brasil

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), Marília, Brasil, vinculada à linha de pesquisa: Gestão, Mediação e Uso da Informação

Erick Pacheli Pereira, Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC)

Mestrando em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), Marília, Brasil, vinculado à linha de pesquisa: Gestão, Mediação e Uso da Informação.

Ieda Pelógia Martins Damian, Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC) e Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (USP/FFCLRP)

Doutora em Administração. Docente no curso de Biblioteconomia e Ciências da Informação pela Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (USP/FFCLRP), Ribeirão Preto, Brasil e Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP/FFC), Marília, Brasil.

Citas

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo (4a ed.). Lisboa: Edições 70.

Cascão, F. (2014). Gestão de competências, de conhecimento e de talento: estudos e contributos para a gestão das pessoas no séc. XXI. Edições Sílabo.

Choo, C. W. (2003a). A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac.

Choo, C. W. (2003b). Gestão de informação para a organização inteligente: a arte de explorar o meio ambiente. Lisboa: Caminho.

Davenport, T. H. (1994). Reengenharia de processos. São Paulo: Campus.

Davenport, T. H. (2002). Ecologia da Informação. São Paulo: Futura.

Davenport, T. H., e Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Geertz, C. (2013). O Saber Local: novos ensaios em antropologia interpretativa (12a ed.). Petrópolis: Vozes.

Heisig, P., Suraj, A. O., Kianto, A., Kemboi, C., Arrau, G. P., e Easa, N. F. (2016). Knowledge management and business performance: global experts’ views on future research needs. Journal of Knowledge Management, 20(6), 1669-1198. https://doi.org/10.1108/JKM-12-2015-0521

Madsen, D. (2013). Disciplinary perspectives on information management. Em The 2nd International Conference on Integrated Information. Procedia: social and behavioral sciences, 73.

Malin, A. M. B. (2012). O campo profissional da Gestão da Informação. Informação & Informação, 17(2), 172-187. http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2012v17n2p172

Marconi, M. A., e Lakatos, E. M. (2013). Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Martins, S. C. (2014). Gestão da Informação: estudo comparativo de modelos sob a ótica integrativa dos recursos de informação. (Dissertação de mestrado em Ciência da Informação), Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, São Paulo, Brasil.

Mead, M., Benedict, R., Sapir, E., e Borges, M. A. X. de. A. (2015). Cultura e Personalidade. Rio de Janeiro: Zahar.

McGee, J., e Prusak, L. (1994). Gerenciamento estratégico da informação. Rio de Janeiro: Campus.

Morin, E. (2000). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2005). Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina. [Tradução de Eliane Lisboa].

Morin, E. (2013). Ciência e consciência da complexidade. Em E. Morin e J. Le Moigne (Org.), A inteligência da complexidade. São Paulo: Peirópolis.

Nonaka, I., e Takeuchi, H. (2008). Teoria da criação do conhecimento organizacional. Em H. Takeuchi e I. Nonaka (Org.), Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Ponjuán Dante, G. (2007). Gestión de información: dimensiones e implementación para el êxito organizacional. Gijón: Trea.

Ronchi, C. C. (2012). Cultura e as organizações: antropologia e cultura brasileira. Curitiba: Juruá.

Schein, E. H. (2009). Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Atlas.

Silva, T. E., e Tomaél, M. I. (2007). A gestão da informação nas organizações. Informação & Informação, 12(2), 1-2. http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2007v12n2p148

Souza, E. D. de., Dias, E. J. W., e Nassif, M. E. (2011). Gestão da informação e do conhecimento na Ciência da Informação: perspectivas teóricas e práticas organizacionais. Informação e Sociedade: Estudos, 21(1), 55-70. Recuperado de http://www.brapci.inf.br/index.php/article/download/16973

Valle, R., e Costa, M. M (2013). Gerenciar os processos, para agregar valor a organização. Em R. Valle e S. B. de Oliveira (Org.). Análise e modelagem de processos de negócio: foco na notação BPMN (Business Process Modeling Notation). São Paulo: Atlas.

Valentim, M. L. P. (2004). Gestão da informação e gestão do conhecimento: especificidades e convergências. Recuperado de http://www.ofaj.com.com/colunas_conteudo.php?cod=88.

Valentim, M. L. P. (2007). Informação, conhecimento e inteligência organizacional (2a ed.). Marília: Fundepe.

Valentim, M. L. P. (2010). Gestão, Mediação e Uso da Informação. São Paulo: Cultura Acadêmica.
Publicado
2018-10-31
Cómo citar
Santos, B., Pereira, E., & Damian, I. (2018). Gestão da informação e do conhecimento e teoria da complexidade no contexto empresarial: um estudo no setor de comunicação e tecnologia. Palabra Clave (La Plata), 8(1), e060. https://doi.org/10.24215/18539912e060
Sección
Artículos