As influências das garantias de ficção, literária e de uso na indexação da literatura infantojuvenil

proposta de modelo de leitura

  • Roberta Caroline Vesu Alves Unesp, (Brasil)

Resumen

As garantias de ficção, literária e de uso foram verificadas com objetivo de observar se fundamentam a elaboração de modelo de leitura documental para indexação de texto narrativo ficcional em prosa, nos aspectos de identificação de assuntos, seleção e representação. A metodologia consistiu em pesquisa bibliográfica e estudo exploratório para o desenvolvimento do modelo de leitura documental, este avaliado por bibliotecários escolares, também por meio da metodologia do protocolo verbal individual para verificação e aprimoramento do modelo. Como resultados, as garantias de ficção, literária e de uso contribuíram com a fundamentação do modelo de leitura documental para a indexação da literatura infantojuvenil conforme observado na avaliação do modelo. Alguns aspectos da estrutura do modelo foram aprimorados. Os elementos do texto importantes para representação e recuperação da informação por usuários estão relacionados com as garantias e foram evidenciados pelos aspectos de personagens, ação ou evento, espaço, tempo, tema ou assunto, narrador, gêneros literários, temas educacionais do ponto de vista do autor e alguns aspectos cognitivos do leitor. O modelo empírico de leitura documental foi fundamentado pelas garantias e foi importante para indexação por bibliotecários escolares, que aprovaram o modelo e mostraram modos para seu aprimoramento.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Referências

Alves, R. C. V. (2008). Análise documental de textos lLiterários infanto-juvenis: perspectivas metodológicas com vistas à identificação do tema. (Dissertação Mestrado em Ciência da Informação). UNESP, Marília.

Alves, R. C. V. (2016). Aboutness em análise documental de textos literários infanto-juvenis: perspectivas para o aprimoramento da representação de conteúdo. (Tese Doutorado em Ciência da Informação). UNESP, Marília.

Alves, R. C. V. (2017). Modelo de leitura documentária para indexação de literatura infantil do gênero fábula: esquemas textuais para fundamentação de estratégias metacognitivas. In M.S.L. Fujita.; D.A. de B. Neves; P.R. Dal’Evedove (Org.). Leitura documentária: estudos avançados para a indexação (pp. 133-156). Marília: Oficina Universitária.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (1992). NBR 12676: Métodos para análise de documentos: Determinação de seus assuntos e seleção de termos de indexação. Rio de Janeiro: ABNT.

Barbosa, S., Mey, E. S. A. e Silveira, N. C. (2005). Vocabulário controlado para indexação de obras ficcionais. Brasília, DF: Briquet de Lemos / Livros.

Barité, M. (2007). La garantía literaria: vigencia y proyección teórico-metodológica. In: ENANCIB, 8, 2007, Salvador. Anais... Salvador: ANCIB. Disponível em http://www.enancib.ppgci.ufba.br/artigos/GT2--068.pdf

Barité, M. (2009). Garantía literaria y normas para construcción de vocabularios controlados: aspectos epistemológicos y metodológicos. Scire, 15(2), 13-24. Disponível em https://www.ibersid.eu/ojs/index.php/scire/article/view/3709

Barité, M. et al. (2010). Garantia literária: elementos para uma revisão crítica após um século. TransInformação, 22(2), 123-138.

Barité, M. (2018). Literary Warrant. Knowledge organization, 45(6).

Beghtol, C. (1986). Semantic validity: concepts of warrant in bibliographic classification systems. Library resources & technical services, 30(02), 109-125. Disponível em https://alair.ala.org/bitstream/handle/11213/8827/lrtsv30no2.pdf?sequence=1&isAllowed=y#page=3

Beghtol, C. (1989). Access to fiction: a problem in classification theory and practice. Part I. lnternational classification, 3, 134-140. Disponível em https://www.nomos-elibrary.de/10.5771/0943-7444-1989-3-134.pdf?download_full_pdf=1

Beghtol, C. (1994). The classification of fiction: the development of a system based on theoretical principles. Metuchen, N.J: The Scarecrow.

Beghtol, C. (1995). Domain analysis, literary warrant, and consensus: the case of fiction studies. Journal of the American Society for Information Science, 46(1), 30-44.

Boccato, V. R. C., Fujita, M. S. L. e Rubi, M. P. (2010). Estudio observacional del contexto sociocognitivo de la catalogación de materias en bibliotecas universitárias. Scire, 16(2), 103-110. Disponível em https://www.ibersid.eu/ojs/index.php/scire/article/view/4023

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. (1997). Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais, ética. Brasília: MEC. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro081.pdf

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttransversais.pdf

Coelho, N. N. (2010). Literatura infantil. São Paulo: Moderna.

Colomer, T. (2017). Introdução à literatura infantil e juvenil atual. São Paulo: Global.

D’Onofrio, S. (2007). Forma e sentido do texto literário. São Paulo: Ática.

Fiorin, J. L. (1999). Sendas e veredas da semiótica narrativa e discursiva. Delta, 15(1). Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44501999000100009&lng=en&nrm=iso

Fiorin, J. L. (2014). Elementos de análise do discurso. São Paulo: Contexto.

Fiorin, J. L. (2015). Em busca do sentido. São Paulo: Contexto.

Fujita, M. S. L. (1999). A leitura do indexador: estudo de observação. Perspectivas em Ciência da Informação, 4(1), 101-116. Disponível em http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/11/pdf_78c2ce7393_0012667.pdf

Fujita, M. S. L. (2003). A leitura documentária do indexador: aspectos cognitivos e linguísticos influentes na formação do leitor profissional. (Tese Livre-Docência em Análise Documentária e Linguagens Documentárias Alfabéticas). UNESP, Marília.

Fujita, M. S. L. (2013). A representação documentária no processo de indexação com o modelo de leitura documentária para textos científicos e livros: uma abordagem cognitiva com protocolo verbal. PontodeAcesso, 7(1), 42-66. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/8135/5807

Fujita, M. S. L. et al. (2017). Indexação de obras de ficção em bibliotecas: avaliação e adequação do Modelo para indexação de ficção (MENTIF). Palabra clave, La Plata, 7(1). Disponível em https://www.palabraclave.fahce.unlp.edu.ar/article/view/PCe041/8869

Fujita, M. S. L., Nardi, M. I. A. e Fagundes, S. A. (2003). A observação da leitura documentária por meio de Protocolo Verbal. In G.M. Rodrigues e I.L. Lopez (Org.). Organização e representação do conhecimento na perspectiva da ciência da informação (v. 2. pp. 141-17). Brasília: Thesaurus; UNB.

Fujita, M. S. L. e Rubi, M. P. (2006). Um modelo de leitura documentária para a indexação de artigos científicos: princípios de elaboração e uso para a formação de indexadores. DataGramaZero [BRAPCI], 7(3). Disponível em http://www.brapci.inf.br/index.php/res/v/5926

Gancho, C. V. (2014). Como analisar narrativas. São Paulo: Ática.

Gregorin Filho, J. N. (2009). Literatura infantil: múltiplas linguagens na formação de leitores. São Paulo: Melhoramentos.

Gregorin Filho, J. N. (2011). Literatura juvenil: adolescência, cultura e formação de leitores. São Paulo: Melhoramentos.

Guimarães, J. A. C. e Pinho, F. A. (2007). Desafios da representação do conhecimento: abordagem ética. Informação & informação, 12(1). Disponível em http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/1753/1500

Hjørland, B. (2013). User-based and cognitive approaches to knowledge organization: a theoretical Analysis of the research literature. Knowledge organization, 40(1).

Laipelt, R do C. F. (2015). A análise de logs como estratégia para a realização da garantia do usuário. Em Questão, 21(3), 150-170. Disponível em https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/59806

Library of Congress Catalog. (2019?). Harry Potter and the prisoner of Azkaban: [full record book]. Washington, D.C: Library of Congress. Disponível em https://catalog.loc.gov/vwebv/holdingsInfo?searchId=23419&recCount=25&recPointer=6&bibId=4995027

National Information Standards Organization. (2010). ANSI/NISO Z39.19-2005 (R2010): Guidelines for the Construction, Format, and Management of Monolingual Controlled Vocabularies. Baltimore, Maryland: NISO.

Oliveira, D. A e Araujo, R F. de. (2012). Construção de linguagens documentárias em sistemas de recuperação da informação: a importância da garantia do usuário. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 17(34). Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2012v17n34p17

Personagem, a essência da narrativa. (2017). Letras de hoje, 52(2), 106-107. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/lh/v52n2/0101-3335-letras-52-02-0106.pdf

Sabbag, D. (2017). Orientações para uso do MENTIF (Metodologia para Indexação de Ficção). In M.S.L. Fujita (Coord.). Manual de política de indexação para as bibliotecas universitárias da Unesp (pp. 19-28). São Paulo: Unesp. Disponível em https://www.biblioteca.unesp.br/portal/arquivos/manual-politica-indexacao-2017.pdf

Silva, M. dos R. e Fujita, M. S. L. (2004). A prática de indexação: análise da evolução de tendências teóricas e metodológicas. TransInformação, 16(2), 133-161. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tinf/v16n2/03.pdf

Terra, E. (2014). Leitura do texto literário. São Paulo: Contexto.

Van Der Walt, M. S. (2004). Ethics in indexing and classification. In: ISKO Germany, 9th. Proceedings. Duisburg: Universität Duisburg, Germany.

Van Dijk, T. A. (2000). El estudio del discurso. In T.A. Van Dijk (Comp.). El discurso como estructura y proceso: estudios sobre el discurso I (pp. 21-65). Barcelona: Gedisa.

Van Dijk, T. A. (2004). Cognição, discurso e interação. São Paulo: Contexto.
Publicado
2020-04-10
Cómo citar
Alves, R. (2020). As influências das garantias de ficção, literária e de uso na indexação da literatura infantojuvenil. Palabra Clave (La Plata), 9(2), e088. https://doi.org/10.24215/18539912e088
Sección
Artículos