Uma epistemologia genética dos ecossistemas de desinformação? Problema interdisciplinar / resposta transdisciplinar

Resumen

Este ensaio sugere bases bio-psico-histórico-sociais de uma possível abordagem do campo informacional com vistas ao combate da desinformação a partir da compreensão da ecologia mental que a sustenta. Propõe-se uma ponte conceitual entre as concepções de schème (palavra que poderia ser traduzida em português como esquema mental) em Jean Piaget e Gilbert Durand, avaliando a adequação de sua incorporação a uma epistemologia crítica do campo e, consequentemente, à criação de uma abordagem integradora para as teorias que se dedicam ao entendimento do conceito de informação. Caracteriza-se a ecologia mental da desinformação entendendo a sustentação da disseminação e da crença em informações falsas a partir da sua abordagem através da transposição dos modelos evolutivos de transferência de informações culturais propostos pela memética para o campo informacional. Finalmente, propõe-se um paralelo entre: 1) a utilização do termo schèma (em tradução aproximada para o português; esquema representado, diagrama) e da teoria da schematization pela Escola Esquematista da Ciência da Informação e 2) uma possível utilização do conceito schème e uma teoria da schemetization para sustentar a necessidade de construção de base para a redefinição do campo informacional. Argumenta-se que essa redefinição é suscitada pela condição hipermoderna e que, a partir da abertura disciplinar para diálogos teóricos entre as visões sociais, cognitivas, tecnológicas, políticas e econômicas envolvidas dos problemas infocomunicacionais, se possa definir um território informacional propositivo e voltado para a solução de questões prementes como a urgência da alfabetização midiática e de conscientização para a importância da comunicação online numa perspectiva crítica.

Palabras clave:

Desinformação, Schème e schemetization, Transdisciplinaridade, Escola Esquematista da Ciência da Informação, Memética

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Antunes, M. L. A. (2015). Comportamento informacional em tempos de Google. [Dissertação de Mestrado (Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte].

Araújo, E. P. de O. (2013). Tomada de decisão organizacional e subjetividade: análise das dimensões simbólico-afetivas no uso da informação em processos decisórios. [Dissertação de Mestrado (Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte].

Araújo, E. P. de O. (2017). Comportamento informacional em processos decisórios estratégicos: dimensão simbólica do uso da informação por gestores. [Tese de Doutorado (Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte].

Aubert, N. (2003) Le culte de L’urgence: la société malade du temps. Paris: Flammarion.

Beck, U. & Beck-Gernshein, E. (2002). Individualization. London: Sage.

Bense, M. (2014). O ensaio e sua prosa. Revista Serrote, 35-36. Recuperado de https://www.revistaserrote.com.br/2014/04/o-ensaio-e-sua-prosa/

Biblioteca Dante Moreira Leite – Instituto de Psicologia – IP/USP (s.d). O que é revisão de literatura? São Paulo: Universidade de São Paulo.

Boechat, W. (2018). Complexo cultural e brasilidade. In Desvelando a alma brasileira (pp. 68-87). Petrópolis: Vozes.

Bueno, E. (1999). Capitães do Brasil: a saga dos primeiros colonizadores. Rio de Janeiro: Objetiva.

Cavalcante, C. A. e Cavalcanti, A. P. (2015) O que é o imaginário? Olhar biopsicossocial da obra transdisciplinar de Gilbert Durand. João Pessoa: Editora UFPB.

Davenport, T. (1998). Ecologia da informação. São Paulo: Futura.

Dawkins, R. (2007). O gene egoísta. São Paulo: Companhia das Letras.

Durand, G. (1997). As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes.

Eco, U. (2017). Pape Satàn Aleppe: crônicas de uma sociedade líquida. Rio de Janeiro: Record.

Esprit. (2019). Éditorial. La transition permanente. Esprit: Le sens de l’école (dossier), septembre.

Figueiredo, L. C. M. (1992). A invenção do psicológico: quatro séculos de subjetivação. S. Paulo: Escuta/Educ.

Fordham, M. (1980). The emergence of child analysis. Journal of analytical psychology, 25(4), 311-324.

Freire, P. (1992). Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hadjadj, F. (2018). Et le Verbe s’est fait charpentier – ou la Bonne Nouvelle de nos mains, Conference de Carême, Notre Dame de Paris, dimanche 4 de mars.

Harari, Y. N. (2017). Sapiens: uma breve história da humanidade. Porto Alegre, RS: L&PM.

Jung, C. G. (1991). Considerações teóricas sobre a natureza do psíquico. In C. G. Jung, A dinâmica do inconsciente (volume VIII das obras coligidas). Petrópolis: Vozes.

Keen, A. (2008). O culto do amador: como blogs, Myspace, Youtube e a pirataria digital estão destruindo nossa economia, cultura e valores. São Paulo: Zahar.

Lash, S. (2002). Critique of information. London: Sage.

Maffesoli, M. (2007). O ritmo da vida: variações sobre o imaginário pós-moderno. Rio de Janeiro: Record.

McLuhan, H. (1994). Understanding media. London: Routledge.

Obana, J. E. G. (2015). A epistemologia e a psicologia genética de Jean Piaget e as neurociências: uma revisão sistemática [Dissertação de Mestrado. Faculdade de Filosofia e Ciências. Marília (SP): Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP), Marilia]. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/123932/000832880.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Paula, C. P. A. de (1999). Informação e Psicodinâmica organizacional: um estudo teórico. 206 f. [Dissertação de Mestrado (Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil].

Paula, C. P. A. de (2005). O símbolo como mediador da comunicação nas organizações: uma abordagem junguiana das relações entre a dimensão afetiva e a produção de sentido nas comunicações entre professores do departamento de Psicologia de uma instituição de ensino superior brasileira. 367 f. Tese [Tese de Doutorado (Psicologia Social e do Trabalho), Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil].

Paula, C. P. A. de (2011). Dimensões simbólicas e afetivas do uso da informação: uma análise das comunicações entre professores do departamento de psicologia de uma instituição de ensino superior pública brasileira. In XII ENANCIB, 2011. Anais do XII ENANCIB (pp. 1-20). Brasilia: UNB Brasilia.

Paula, C. P. A. de (2012a). Dimensões simbólicas e afetivas do uso da informação: uma análise das comunicações entre professores do departamento de psicologia de uma instituição de ensino superior pública brasileira. Perspectivas em gestão & conhecimento, 2, 118-132.

Paula, C. P. A. de (2012b). Proposta de metodologia para a investigação do comportamento de busca informacional e do processo de tomada de decisão dos líderes nas organizações: introduzindo uma abordagem clínica na informação. In XIII ENANCIB. Anais do XIII ENANCIB. Rio de Janeiro.

Paula, C. P. A. de (2013). A investigação do comportamento de busca informacional e do processo de tomada de decisão dos líderes nas organizações: introduzindo a abordagem clínica da informação como proposta metodológica. Perspectivas em gestão & conhecimento, 3, 30-44.

Paula, C. P. A. de (2019). Reflexões sobre o conceito de arquétipo numa perspectiva não metafísica: um diálogo sobre sua origem no mudo físico e os eu papel na organização do mundo através da mente. In E. S. Lind, H. J. P. Moraes, Mídia cotidiano e imaginário. João Pessoa: Editora UFPB.

Pedrosa, C. G. (2017). A dimensão subjetiva da gestão de bibliotecas universitárias. [Dissertação de Mestrado (Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação. Belo Horizonte].

Piaget, J. (1967). Biologie et connaissance: essai sur les relations entre les régulations organiques et les processus cognitifs. Paris: Gallimard.

Pieri, P. F. (2002). Dicionário Junguiano. São Paulo: Paulus.

Queiroz, T. P. (2014). O bom filho a casa sempre torna: análise do relacionamento entre a Universidade Federal de Minas Gerais e seus egressos por meio da informação. 202f. [Dissertação de Mestrado (Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte].

Queiroz, T. P. (2019). Conhece-te a ti mesmo: a percepção dos egressos sobre a imagem de um curso de graduação em Biblioteconomia. [Tese de Doutorado (Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte].

Ramozzi-Chiarottino, Z. (1988). Psicologia e epistemologia genética de Jean Piaget. São Paulo: EPU.

Ribeiro, S. (2019). O oráculo da noite: a história e a ciência do sonho. São Paulo: Companhia das Letras.

Rocha, J. A. P. (2018) A produção do conhecimento como cognição distribuída: práticas informacionais no fazer científico. [Tese de Doutorado (Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação. Belo Horizonte, Minas Gerais].

Sá, R. M. C. de. (2015) Compartilhamento do conhecimento e o processo de orientação de discentes de pós-graduação stricto sensu. [Dissertação de Mestrado (Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação. Belo Horizonte].

Saldanha, G. S. (2018). Epistemologia crítica e social da ciência da informação: 50 anos de uma escola dialética. In: XIX ENANCIB. Anais do XIX ENANCIB (pp. 1-20). Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

Spotts, F. (2003). Hitler and the Power of Aesthetics. Woodstock, New York: Overlook Press.

Sutherland, T. (2013). Liquid networks and the metaphysics of flux: ontologies of flow in an age of speed and mobility. Theory culture & society, 30(5), 3-23. Recuperado de https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0263276412469670

Touraine, A. (2018). Nous sujets humaines. Paris: Seuil.

Xavier, R. C. M., & Costa, R. O. da. (2010). Relações mútuas entre informação e conhecimento: o mesmo conceito?. Ciência da informação, 39(2), 75-83. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S0100-19652010000200006
Publicado
2021-04-01
Cómo citar
Paula, C. P. A. de. (2021). Uma epistemologia genética dos ecossistemas de desinformação? Problema interdisciplinar / resposta transdisciplinar. Palabra Clave (La Plata), 10(2), e122. https://doi.org/10.24215/18539912e122
Sección
Dossier Epistemología de las ciencias de la información