Natureza e naturalização da tecnologia: panorama informacional na sociedade pós-medial

Resumen

Depois de quase trinta anos de uso capilar das tecnologias de informação e comunicação (TICs), a sociedade tem naturalizado sua presença. Todavia, viver com as TICs não significa compreender o porte das mudanças paradigmáticas que elas realizaram globalmente. O objetivo desse artigo é discutir as premissas e as implicações das transformações socioculturais impostas pelas novas mídias, observando alguns de seus efeitos nas esferas social, econômica e política. A metodologia utilizada é de natureza qualitativa e bibliográfica, com uma discussão elaborada através das ferramentas dos estudos culturais e da sociologia do imaginário de matriz durandiana. Nossos resultados, a partir do filme Avatar, consideram os fenômenos de mudanças e transformações proporcionados em todas as esferas sociais pela naturalização da tecnologia nos discursos contemporâneos. Na discussão, oferece-se um percurso histórico sobre a evolução da mídia até a definição de um paradigma pós-medial; observam-se os efeitos da naturalização das TICs nos planos social, econômico e político; analisam-se os efeitos sobre o imaginário provocados pelo uso de terminologias improntadas na ideologia e na retórica da inovação; esboçam-se algumas respostas oferecidas pela sociedade e pela política aos problemas suscitados pelas TICs. Conclui-se que há uma necessidade de apropriação crítica das TICs, que necessariamente devem voltar a serem desnaturalizadas para se tornar objeto de estudo com foco mais amplo e não somente aplicativo.

Palabras clave:

Estudos informacionais, Tecnologias da informação e da comunicação, Paradigma pós-medial, Mudanças sociais, Economia informacional

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Almeida, M. A. e Crippa, G. (2009). De Bacon à internet: considerações sobre a organização do conhecimento e a constituição da ciência da informação. Ponto de acesso, 3(2), 109-131. Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/3284

Banti, A. M. (2017). Wonderland: la cultura di massa da Walt Disney ai Pink Floyd. Bari: Laterza.

Briggs, A. e Burke, P. (2002). Storia sociale dei media: da Gutemberg a Internet. Bologna: Il Mulino.

Castells, M. (2001). Galassia Internet. Milano: Feltrinelli.

Durand, G. (2012). L’immaginazione simbolica. Milano: Ipoc.

Floridi, L. (2017). La quarta rivoluzione. Milano: Cortina.

Hajdu, D. (2008). Maledetti fumetti: come la grande paura per i “giornaletti” cambiò la società statunitense. Latina: Tunuè.

Jenkins, H. (2009). Cultura da convergência. São Paulo: Aleph.

Lastres H. e Albagli, S. (Orgs.) (1999). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Le Goff, J. (1993). L’immaginario medievale. Milano: Mondadori.

Lemos, A. (2011). Mobilidade e espaço urbano. In G. Beiguelman & J. La Ferla, Nomadismos tecnológicos (pp. 15-34). São Paulo: SESC.

Massidda, L. (2011). Atlante delle grandi esposizioni universali: storia e geografia del medium espositivo. Milano: Franco Angeli.

Mattelart, A. (2002). História da utopia planetária. Porto Alegre: Sulina.

McLuhan, M. (2011). Capire i media. Gli strumenti del comunicare. Milano: Il Saggiatore.

Starri, M. (2019). Digital 2019: tre italiani su cinque attivi sui social per quasi due ore al giorno. Recuperado de http://wearesocial.com/it/blog/2019/01/digital-in-2019
Publicado
2021-04-01
Cómo citar
Crippa, G. (2021). Natureza e naturalização da tecnologia: panorama informacional na sociedade pós-medial. Palabra Clave (La Plata), 10(2), e119. https://doi.org/10.24215/18539912e119
Sección
Dossier Epistemología de las ciencias de la información