Inter-relações entre gestão do conhecimento e memória organizacional

Contenido principal del artículo

Ieda Pelogia Martins Damian
María Manuela Moro Cabero

Resumen

Por se tratar de um recurso de fundamental importãncia para a criação de vantagens competitivas sustentáveis para as organizações, o conhecimento e sua gestão, representam um campo onde pesquisas e estudos devem ser desenvolvidos e aprofundados de maneira contí­nua, de modo a gerar benefí­cios a todos os agentes implicados como organizações, funcionários, colaboradores, parceiros, clientes, governos e cidadãos. Apesar de sua posição estratégica, considerável conhecimento organizacional é perdido devido í  deficiente criação, obtenção, gestão e conservação da memória organizacional. Para alcançar o sucesso organizacional, a gestão do conhecimento e a memória organizacional devem manter o mesmo passo, dado que se compreende que a memória organizacional é conhecimento interno e externo explicitado, para o seu uso e reutilização. O objetivo do estudo é destacar as semelhanças e completudes entre ambos conceitos para as organizações entendam a importãncia de coordená-los de maneira conjunta e, assim, obterem os resultados desejados. Para tanto, este estudo realizou um levantamento das publicações na área da ciência da informação, ciência que estuda os temas abordados. Por meio deste levantamento, verificou-se a seguinte premissa: não é possí­vel implantar a plena gestão do conhecimento em uma organização sem uma coordenação adequada com a sua memória organizacional.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Pelogia Martins Damian, I., & Moro Cabero, M. M. (2020). Inter-relações entre gestão do conhecimento e memória organizacional. Palabra Clave (La Plata), 10(1), e106. https://doi.org/10.24215/18539912e106
Sección
Artículos de temática libre

Citas

Arboní­es, Á. (2006). Conocimiento para innovar. Madrid: Dí­az de Santos.

Arboní­es, A. e Aldázabal, J (2005). Propuesta para el cálculo del í­ndice de memoria de inteligencia organizacional (IMIO) basado en el MIK K-FACTS. Barcelona: Sussex.

Barros, V. F. de A.; Ramos, I. e Pérez, G. (2015). Information systems and organizational memory: a literature review. JISTEM - Journal of information systems and technology management, 12(1), 45-63.

Benavides, C. e Quintana C. (2003). Gestión del conocimiento y calidad total. Madrid: Dí­az de Santos.

Bukowitz, W. R. e Williams, R. L. (2002). Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman.

Cerdá Dí­az, J. (2013). Gestión documental y gobierno abierto. El archivo en la república de los dados. Tábula. Estudios archiví­sticos de Castilla y León, 16, 123-137.

Corbasí­ Morales, J. (2011). Sistemas de información en la empresa. Barcelona: UOC.

Dalkir, K. (2005). Knowledge management in theory and practice. Oxford: Elsevier, USA: Linacre House, Jordan Hill.

Davenport, T. H. e Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus.

Drucker, P. (1999). Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira.

Earl, M. (2001). Knowledge management strategies: towards a taxonomy. Journal of management information systems, 18(1).

Feitoza, R. A. B. e Duarte, E. N. (2018). Gestão do conhecimento associada í s práticas arquiví­sticas na formação e preservação da memória organizacional. Pesquisa brasileira em ciência da informação e biblioteconomia, 13(1).

Freire, P. de S.; Tosta, K. C. B. T.; Helou Filho, E. A. e Silva, G. G. da (2012). Memória organizacional e seu papel na Gestão do conhecimento. Revista de ciências da administração, 14(33), 41-51.

Fresneda, P. S. V.; Gonçalves, S. M. G.; Papa, M. e Fonseca, A. F. (2009). Diagnóstico da gestão do conhecimento nas organizações públicas utilizando o método organizational knowledge assessment (OKA). En II Congresso Consad de Gestão Pública – Painel 20: Gestão do conhecimento e inovação para a melhoria da gestão pública. Recuperado de: https://consad.org.br/wp-content/uploads/2013/02/DIAGNÓSTICO-DA-GESTíƒO-DO-CONHECIMENTO-NAS-ORGANIZAí‡í•ES-PÚBLICAS-UTILIZANDO-O-MÉTODO-ORGANIZATIONAL-KNOWLEDGE-ASSESSMENT-OKA2.pdf

Furlanetto, A. e Oliveira, M. (2008). Fatores estratégicos associados í s práticas de gestão do conhecimento, Análise, 19(1), 99-123.

Gil, A. C. (2007). Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas

Hoffman, W. A. M. (2009). Gestão do conhecimento: desafios de aprender. São Carlos: Compacta.

Hoffman, W. A. M. (2016). Gestão do conhecimento e da informação em organizações baseados em inteligência competitiva. Ciência da informação, 45(3).

ISO 15.489-1 (2016). Información y Documentación. Gestión de documentos. Parte 1. Conceptos y principios. Madrid.

ISO 30.301 (2019). Información y documentación. Sistemas de gestión para los documentos. Requisitos. Madrid.

Jennex, M. E. e Olfman, L. (2004). Organizational memory. En Holsapple, Clyde W. Handbook on knowledge management (pp. 207-234). Kentucky: Springer Verleg.

Katelaar, E. (2007). Narrativas tácitas. Los significados de los Archivos. Em Tábula: Estudios archiví­sticos de Castilla y León, 10, 137-147.

Lousada, M.; Lopes, E. C.; Fujita, M. S. L. e Valentim, M. L. P. (2011). Polí­ticas de indexação no í¢mbito da gestão do conhecimento organizacional. Informação & sociedade: estudos, 21 (1).

Menezes, E. M. de. (2006). Estruturação da memória organizacional de uma instituição na iminência de evasão de especialistas: um estudo de caso na COHAB. Dissertação - Universidade Católica de Brasí­lia, Brasí­lia.

Molina, L. G. e Valentim, M. L. P. (2015). Memória organizacional como forma de preservação do conhecimento. Perspectivas em gestão & conhecimento, 5(2), 147-169.

Nascimento, N. M. do; Souza, J. S. F. de; Valentim, M. L. P. e Moro, M. C. (2016). Gerenciamento dos fluxos de informação como requisito para a preservação da memória organizacional: um diferencial competitivo. Perspectivas em gestão & conhecimento, 6, 29-44.

Nascimento, N. M. e Vitoriano, M. C. C. P. (2017). O estudo da produção documental e a memória organizacional em ambientes empresariais. Em questão, 23(1), 202-227.

Neves, P. M. C. e Cerdeira, J. P. (2018). Memória organizacional, gestão do conhecimento e comportamentos de cidadania organizacional. Perspectivas em gestão & conhecimento, 8(1), 3-19.

Nonaka, I. e Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a diní¢mica da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier.

North, K. (2007). Gestión del conocimiento e innovación en la empresa. Em Valentim, M.L.P Informação, conhecimento e Inteligência organizacional (pp. 133-153). Marí­lia: FUNDEPE, 2007.

Oliveira, R. R., Oliveira, R. R. e Lima, J. B. (2016.) Reflexão sobre a relação entre a mudança de cultura organizacional e a gestão do conhecimento. Perspectivas em gestão & conhecimento, 6(1), 19-35.

Pereira, M. O. F.; Silva, H. de F. N. e Pinto, J. S. de P. (2016). A Memória organizacional nos processos de gestão do conhecimento: um estudo na Universidade Federal do Paraná, Informação & informação, 21(1), 348 – 374.

Pérez-Montoro Gutiérrez, M. (2008). Gestión del conocimiento en las organizaciones. Fundamentos, metodologí­a y praxis. Gijón: Trea.

Pizzaia, A.; Pegino, P. M. F.; Colla, J. E. e Tenório, N. (2018). O papel da comunicação na gestão do conhecimento: aspectos relevantes e estí­mulo a novas pesquisas. Perspectivas em gestão & conhecimento, 8(2), 62-81.

Remor, L. C.; Rados, G. J. V.; Remor, C. A. M. e Miranda, A. C. D. (2009). A construção da memória organizacional utilizando o gerenciamento de processo nas pactuações da comissão intergestores bipartite do sistema único de saúde. Encontros bibli: revista eletrí´nica de biblioteconomia e ciência da informação, 14(27), 85-97.

Santos, B. R. P. e Damian, I. P. M. (2018). O mapeamento do conhecimento por meio da análise SWOT: estudo em uma organização pública de saúde. Em Questão, 24.

Santos, J. C. dos; Moro-Cabero, M. M. e Valentim, M. L. P. (2016). A Memória Organizacional como diferencial competitivo em ambientes organizacionais. Em Anais do XI Seminário de Pesquisa em Ciências Humanas, Londrina, Brasil.

Souza, E. D. de; Dias, E. J. W. e Nassif, M. E. (2011). A gestão da informação e do conhecimento na Ciência da Informação: perspectivas teóricas e práticas organizacionais. Informação & sociedade: estudos, 21(1), 55-70.

Spiller; A. e Pontes, C. C. C. (2007). Memória organizacional e reutilização do conhecimento técnico em uma empresa do setor eletroeletrí´nico no Brasil. RBGN - Revista brasileira de gestão de negócios, 9(25), 96-108.

Terra, J. C. C. (2005). Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio Editora.

Valentim, M. L. P. (2008). Gestão da informação e gestão do conhecimento em ambientes organizacionais: conceitos e compreensões. Tendências da pesquisa brasileira em ciência da informação, 1(1).

Verne, H. (2007). Menos quejarse y más producir. Crí­tica de las formulaciones positivistas en los archivos de Sudáfrica. Tábula. Estudios archiví­sticos de Castilla y León, 10, 109-121.

Walsh, J. P. e Ungson, G. R. (1991). Organizational memory. Academy of management review, 16(1), 57-91