Preservação do patrimônio documental arquivístico em ambiente digital

Resumen

Este artigo perpassa a ideia do documento arquivístico digital como parte integrante do patrimônio cultural, e posteriormente, descrevem-se aspectos pertinentes à sua preservação. Para isto são abordadas questões referentes à garantia de acesso a documentos autênticos no longo prazo. A discussão concentra-se na relação entre: estratégias de preservação, repositórios digitais, modelo OAIS, linha de custódia ininterrupta e atividades de auditoria e certificação. Dentre os apontamentos finais, destaca-se a necessidade de sintetizar os conhecimentos discutidos a fim de fornecer subsídios teóricos para facilitar a sua aplicação no âmbito da Arquivística.

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Biografía del autor

Henrique Machado Santos, Universidade Federal de Santa Maria
Bacharel em Arquivologia pela Universidade Federal de Santa Maria, membro do grupo de pesquisa CNPq: GED/A. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Arquivologia, atuando principalmente nos seguintes temas: preservação digital, difusão, tecnologia da informação, digitalização, software livre e instrumentos arquivísticos.
Daniel Flores, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Doutor em Metodologías y Líneas de Investigación en Biblioteconomía y Documentación pela Universidad de Salamanca (USal). Professor Adjunto do Departamento de Documentação e do Mestrado em Patrimônio Cultural da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Líder dos grupos de pesquisa CNPq-UFSM: Gestão Eletrônica de Documentos Arquivísticos (GED/A) e Patrimônio Documental Arquivístico (PDA). Brasil.

Citas

Abreu, R. (1996). A fabricação do imortal: memória, história e estratégias de consagração no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

Belloto, H. L. (2014). Constituição, dispersão e reintegração de fundos. En: Belloto, H. L. editora. Arquivo: estudos e reflexões. Belo Horizonte: UFMG, p. 80-93.

Brasil. (1991). Lei, Nº 8.159, de 09 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8159.htm

Brasil. (2004a). Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Recuperado de http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/Media/publicacoes/cartapreservpatrimarqdigitalconarq2004.pdf

Brasil. (2004b). Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Recuperado de http://pt.scribd.com/doc/37174068/Gestao-Arquivistica-de-Documentos-Eletronicos-CONARQ-Por-Claudia-Rocha

Brasil. (2011). Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. e-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Recuperado de http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/media/publicacoes/earq/conarq_earqbrasil_model_requisitos_2009.pdf

Brasil. (2012). Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Diretrizes para a presunção de autenticidade de documentos arquivísticos digitais. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Recuperado de http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/media/diretrizes_presuncao_autenticidade_publicada.pdf

Brasil. (2014). Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Diretrizes para a implementação de repositórios digitais confiáveis de documentos arquivísticos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Recuperado de http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/media/publicacoes/resol_conarq_39_repositorios.pdf

Brasil. (2015). Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Diretrizes para a implementação de repositórios arquivísticos digitais confiáveis – RDC-Arq. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Recuperado de http://www.conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/diretrizes_rdc_arq.pdf

Candau, J. (2014). O jogo social da memória e da identidade (2). En Candau, J., editor. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, p. 137-180.

CASANOVAS, I. (2008). Gestión de documentos electrónicos. Buenos Aires: Alfagrama.

CHOAY, F. (2006). A alegoria do patrimônio. 3ª Ed. São Paulo: Estação Liberdade: UNESP.

Consultative Committee for Space Data System (CCSDS). (2012). Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS). Magenta Book. Washington. Recuperado de http://public.ccsds.org/publications/archive/650x0m2.pdf

Corrêa, A. M. G. (2010). Preservação digital: autenticidade e integridade de documentos em bibliotecas digitais de teses e dissertações. São Paulo: Universidade de São Paulo, 96 p. Dissertação de Mestrado. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27151/tde-05112010-105831/pt-br.php

De Sordi, J. O. (2008). Administração da informação: fundamentos e práticas para uma nova gestão do conhecimento. São Paulo: Saraiva.

Ferreira, M. (2006). Introdução à preservação digital: conceitos, estratégias e atuais consensos. Portugal: Escola de Engenharia da Universidade do Minho. Recuperado de https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5820/1/livro.pdf

Gil, A. C. (1991). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, J. R. S. (2009). O patrimônio como categoria de pensamento. En Abreu, R. y CHAGAS, M., editores. Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Lamparina, p. 25-33.

Innarelli, H. C. (2007). Preservação digital e seus dez mandamentos. En Santos, V. B., editor. Arquivística: temas contemporâneos. Distrito Federal: SENAC, p. 21-75.

Innarelli, H. C. (2011). Preservação digital: a influência da gestão dos documentos digitais na preservação da informação e da cultura. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, vol. 8, nº 2, p. 72-87. Recuperado de http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/487/330

Innarelli, H. C. (2012). Instrumenta 2: preservação de documentos digitais. São Paulo: Associação dos Arquivistas de São Paulo.

InterPares 2 Project. (2007a). Diretrizes do Preservador. A preservação de documentos arquivísticos digitais: diretrizes para organizações. TEAM Brasil. Tradução: Arquivo Nacional e Câmara dos Deputados. 2002 – 2007. Recuperado de http://www.interpares.org/display_file.cfm?doc=ip2_preserver_guidelines_booklet--portuguese.pdf

InterPares 2 Project. (2007b). Diretrizes do Produtor. A elaboração e a manutenção de materiais digitais: diretrizes para indivíduos. TEAM Brasil. Tradução: Arquivo Nacional e Câmara dos Deputados. 2002 – 2007. Recuperado de http://www.interpares.org/ip2/display_file.cfm?doc=ip2_creator_guidelines_booklet--portuguese.pdf

Lopes, V. (2008). Preservação Digital. Portugal: Universidade do Minho, Guimarães. Recuperado de http://www.vitorlopes.com/Trabalhos/Preservacao_Digital-Vitor_Lopes.pdf

Luna, S. V. (1997). Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC.

Márdero Arellano, M. Á. (2004). Preservação de documentos digitais. Ciência da Informação, Brasília, vol. 33, nº 2, p. 15-27. Recuperado de http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/305

Márdero Arellano, M. Á. (2008). Critérios para a preservação digital da informação científica. Brasília: Universidade Federal de Brasília, 2008, 354 p. Tese de Doutorado Recuperado de http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=4547

Paes, M. L. (2005). Arquivo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora FGV, 3ª ed. Rev. Ampl.

Rocha, C. L. y Silva, M. (2007). Padrões para Garantir a Preservação e o Acesso aos Documentos Digitais. Acervo, Rio de Janeiro, vol. 20, nº 1-2, p. 113-124. Recuperado de http://www.revistaacervo.an.gov.br/seer/index.php/info/article/view/142

Rondinelli, R. C. (2002). Gerenciamento arquivístico de documentos eletrônicos: uma abordagem teórica da diplomática arquivística contemporânea. FGV Editora.

Rousseau, J. Y. y Couture, C. (1998). Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Saramago, M. L. (2004). Metadados para preservação digital e aplicação do modelo OAIS. En VIII Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas. Anais eletrônicos... Estoril: [s. n.]. Recuperado de http://www.bad.pt/publicacoes/index.php/congressosbad/article/view/640/637

Sayão, L. F. (2010). Repositórios Digitais Confiáveis para a Preservação de Periódicos Eletrônicos Científicos. Ponto de Acesso, Salvador, vol. 4, nº 3, p. 68-94. Recuperado de http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/4709/3565

Silva, E. L. y Menezes, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. rev., Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Recuperado de https://projetos.inf.ufsc.br/arquivos/Metodologia_de_pesquisa_e_elaboracao_de_teses_e_dissertacoes_4ed.pdf

Sousa, R. T. B. (2009). A classificação como função matricial do que-fazer arquivístico. En Santos, V. B., editor. Arquivística: temas contemporâneos. 3. Ed. Brasília: SENAC, p. 79-172.

Thomaz, K. P. (2004). A preservação de documentos eletrônicos de caráter arquivístico: novos desafios, velhos problemas. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 389p. Tese de Doutorado. Recuperado de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/VALA-68ZRKF/doutorado___katia_de_padua_thomaz.pdf

Thomaz, K. P. (2005). Documentos eletrônicos de caráter arquivístico: fatores condicionantes da preservação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, vol. 10, nº 1, p. 34-53. Recuperado de http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/301

Thomaz, K. P. (2006). Gestão e preservação de documentos eletrônicos de arquivo: revisão de literatura – parte 2. Arquivística.net, Rio de Janeiro, vol. 2, nº 1, p.114-131. Recuperado de www.brapci.ufpr.br/download.php?dd0=6733

Thomaz, K. P. (2007). Repositórios digitais confiáveis e certificação. Arquivística.net, Rio de janeiro, vol. 3, nº 1, p. 80-89. Recuperado de http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/05/pdf_fed0720dbb_0010726.pdf

WEBB, C. (2003). Guidelines for the Preservation of Digital Heritage. Preparado pela Biblioteca Nacional da Austrália para a Divisão de Sociedade de Informação, UNESCO. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001300/130071e.pdf
Publicado
Oct 9, 2017
Cómo citar
Santos, H., & Flores, D. (2017). Preservação do patrimônio documental arquivístico em ambiente digital. Palabra Clave (La Plata), 7(1), e029. doi:10.24215/18539912e029
Sección
Dossier: Gestión de la información: dilemas y perspectiva

Palabras clave

Documento digital; Preservação digital; Patrimônio documental; Arquivística; Arquivo