Bases teóricas de gestão da informação: das origens aos desafios na sociedade contemporânea

  • Regina Celia Baptista Belluzzo

Resumen

Apresenta-se um cenário da gestão da informação, com reflexões acerca de suas bases teóricas, origens e os principais desafios que essa área deve enfrentar na sociedade contemporânea, cujas características trazem consigo demandas e necessidades de informação que requerem novas condutas de gestão e protagonismo das organizações, com destaque às bibliotecas e aos profissionais que nela atuam, em relação à temática que norteia as comunidades no sentido da exequibilidade da sustentabilidade. Considerações são oferecidas sobre a importância da gestão da informação como fator preponderante para auxiliar o processo de disseminação da informação, como mais uma estratégia para a tomada de consciência das comunidades envolvidas, considerando-se que aquelas que têm acesso à informação gerida adequadamente, considerada relevante, no tempo certo e utilizada de forma inteligente podem se intitular como competentes em informação e estão capacitadas para erradicar a pobreza e a desigualdade, melhorar a agricultura, proporcionar educação de qualidade e promover a saúde, a cultura a pesquisa e a inovação – palavras de ordem para essa área de gestão no mundo contemporâneo.

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Citas

Barreto, A. (1994). A questão da informação. São Paulo em perspectiva, 8(4), 3-8.
Black, A., e Brunt, R. (1999). Informing management in business, libraries and British Military Intelligence: towards a history of information management. Journal of documentation, 55(4), 361-374. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1108/EUM0000000007150
Braman, S. (1989). Defining information: an approach for policymakers. Telecomunications policy, 3(13), 233-42.
Castells, M. (1994). Flujos, redes e identidades: una teoría crítica de la sociedad informacional. Em Nuevas perspectivas críticas en educación. Barcelona: Paidós.
Cianconi, R. (1999). Gestão da informação na sociedade do conhecimento. Brasília, DF: SENAI/DN
Cornellá, A. (2000). La gestión de la información en las organizaciones. Bilbao: Ediciones Deusto.
Choo, C. W. (2006). A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: SENAC Editora.
Davenport, T. H. (1998). Ecologia da informação: porque só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura.
Davenport, T. H., e Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.
Dias, M. M. K., e Belluzzzo, R. C. B. (2003). Gestão da Informação em ciência e tecnologia sob a ótica do cliente. Bauru: EDUSC.
Ferreira, T. E. de L. R., e Perucchi, V. (2011). Gestão e o fluxo da informação nas organizações: a informação no contexto organizacional. Revista ACB: biblioteconomia em Santa Catarina, 16(2), 446-463. Recuperado de https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/781/pdf_61
González de Gómez, M. N. (1999). Política e gestão da informação: novos rumos [editorial]. Ciência da informação, 28(2), 109-110.
IFLA (2014). Declaração de Lyon sobre o Acesso à Informação e Desenvolvimento. Recuperado en: http://www.lyondeclaration.org/content/pages/lyon-declaration-pt.pdf
IFLA (2017). Acesso e oportunidade para todos: como as bibliotecas contribuem para a agenda de 2030 das Nações Unidas. Recuperado de https://www.ifla.org/files/assets/hq/topics/libraries-development/documents/access-and-opportunity-for-all-pt.pdf
Krippendorff, K. (1993). Information, information society and some marxian propositions. En J. R. Schement, e B. D. Ruben (Eds.), Between communication and information (pp. 487-521). New Brunswick: Transaction Publishers.
Lopes, E. C., e Valentim, M. L. P. (2010). Gestão da informação e governança corporativa em empresas de capital aberto. Em M. L. P. Valentim (Org.), Gestão, mediação e uso da informação (pp. 277-300). São Paulo: Cultura Acadêmica.
Pacheco Júnior, W. et al. (2011). Sustentabilidade empresarial e a dimensão da exequibilidade. Navus: revista de gestão e tecnologia, 1(1), 67-81.
Ponjuán Dante, G. (2004). Gestión de información: dimensiones e implementación para el éxito organizacional. Rosario: Nuevo Parhadigma.
Quevedo, L. A. (2005). La cultura y su necesidad de gestión. En I Congreso Internacional sobre la Formación de los Gestores y Técnicos de Cultura, Valencia, España. Recuperado de: http://www.sarc.es/sites/default/files/actas2005c.pdf
Santos, C. D., e Valentim, M. L. P. (2014). As interconexões entre a gestão da informação e a gestão do conhecimento para o gerenciamento dos fluxos informacionais. Perspectivas em gestão & Conhecimento, 4(2), 19-33. Recuperado de
http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/17897/12245
Tarapanoff, K. (Org.) (2001). Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Editora UnB.
Uribe, F. J. (2001). Reflexões sobre a subjetividade na gestão a partir do paradigma da organização que aprende. Ciência saúde coletiva, 6(1) 209-219. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232001000100017
Valentim, M. L. P. (2008). Informação e conhecimento em organizações complexas. Em M. L. P. Valentim (Org), Gestão da informação e do conhecimento (pp.7-10). São Paulo: Polis, Cultura Acadêmica.
Valentim, M. L. P. (2010). Ambientes e fluxos de informação. Em M. L. P. Valentim (Org.), Ambientes e fluxos de Informação (pp.13-15). São Paulo: Cultura Acadêmica.
Valentim, M. L. P., e Teixeira, T. M. C. (2012). Fluxos de informação e linguagem em ambientes organizacionais. Informação e sociedade, 22(2),151-156.
Publicado
Oct 9, 2017
Cómo citar
Belluzzo, R. (2017). Bases teóricas de gestão da informação: das origens aos desafios na sociedade contemporânea. Palabra Clave (La Plata), 7(1), e027. doi:10.24215/18539912e027
Sección
Dossier: Gestión de la información: dilemas y perspectiva

Palabras clave

Gestão da informação. Sociedade contemporânea